Pteridophyta

De Uniplantae
Ir para: navegação, pesquisa

As pteridófitas são um grupo de vegetais vasculares sem sementes, com o cormo composto por raiz, caule e folhas. Incluem as samambaias e cavalinhas, entre outrasReprodução das pteridófitas

O seu ciclo de vida possui duas fases alternantes: a fase gametofítica (gametófito) e a fase esporofítica (esporófito). Nas pteridófitas, o esporófito é a fase dominante, de maior porte, ao contrário do que acontece nas briófitas (ou musgos), grupo que antecede as pteridófitas.

O esporófito produz esporos, que são dispersados pelo vento. Os esporos possuem metade do número cromossômico (n) do esporófito (2n), e, ao caírem no solo em condições favoráveis de nutrientes e água, germinam dando origem ao prótalo. O prótalo é um indivíduo de vida curta que produz gametas para dar origem a uma nova planta[2].

O gametófito é a fase de vida transitória, e normalmente não é enxergado a olho nu. Em muitas espécies, é preciso que haja uma relação simbiótica entre o gametófito e espécies de fungo do solo para que o primeiro consiga sobreviver. O gametófito produz estruturas "sexuais" que irão dar origem a gametas "masculinos" (anterozoides) e "femininos" (oosferas). Para que haja a fecundação é necessária a presença de água. Do zigoto formado pela fusão dos gametas cresce então um esporófito com o número total de cromossomos (2n).

Samambaias e avencas são pteridófitas bem conhecidas e muito utilizadas como plantas ornamentais. Porém esta definição geral inclui também vários outros grupos de plantas que actualmente são considerados em várias divisões, uma vez que se descobriu que o anterior táxon era polifilético.


Reprodução das pteridófitas

O seu ciclo de vida possui duas fases alternantes: a fase gametofítica (gametófito) e a fase esporofítica (esporófito). Nas pteridófitas, o esporófito é a fase dominante, de maior porte, ao contrário do que acontece nas briófitas (ou musgos), grupo que antecede as pteridófitas.

O esporófito produz esporos, que são dispersados pelo vento. Os esporos possuem metade do número cromossômico (n) do esporófito (2n), e, ao caírem no solo em condições favoráveis de nutrientes e água, germinam dando origem ao prótalo. O prótalo é um indivíduo de vida curta que produz gametas para dar origem a uma nova planta<ref name="Sobiologia" />.

O gametófito é a fase de vida transitória, e normalmente não é enxergado a olho nu. Em muitas espécies, é preciso que haja uma relação simbiótica entre o gametófito e espécies de fungo do solo para que o primeiro consiga sobreviver. O gametófito produz estruturas "sexuais" que irão dar origem a gametas "masculinos" (anterozoides) e "femininos" (oosferas). Para que haja a fecundação é necessária a presença de água. Do zigoto formado pela fusão dos gametas cresce então um esporófito com o número total de cromossomos (2n).

Samambaias e avencas são pteridófitas bem conhecidas e muito utilizadas como plantas ornamentais. Porém esta definição geral inclui também vários outros grupos de plantas que actualmente são considerados em várias divisões, uma vez que se descobriu que o anterior táxon era polifilético.


Classificação

O esquema de classificação completo proposto por Smith et al. é (2006; nomes alternativos entre parêntesis rectos):

   * Classe Psilotopsida
         o Ordem Ophioglossales
               + Família Ophioglossaceae (incl. Botrychiaceae, Helminthostachyaceae)
         o Ordem Psilotales
               + Família Psilotaceae (incl. Tmesipteridaceae)
   * Classe Equisetopsida [=Sphenopsida]
         o Ordem Equisetales
               + Família Equisetaceae
   * Classe Marattiopsida
         o Ordem Marattiales
               + Família Marattiaceae (incl. Angiopteridaceae, Christenseniaceae, Danaeaceae, Kaulfussiaceae)
   * Classe Pteridopsida [=Filicopsida, Polypodiopsida]
         o Ordem Osmundales
               + Família Osmundaceae
         o Ordem Hymenophyllales
               + Família Hymenophyllaceae (incl. Trichomanaceae)
         o Ordem Gleicheniales
               + Família Gleicheniaceae (incl. Dicranopteridaceae, Stromatopteridaceae)
               + Família Dipteridaceae (incl. Cheiropleuriaceae)
               + Família Matoniaceae
         o Ordem Schizaeales
               + Família Lygodiaceae
               + Família Anemiaceae (incl. Mohriaceae)
               + Família Schizaeaceae
         o Ordem Salviniales
               + Família Marsileaceae (incl. Pilulariaceae)
               + Família Salviniaceae (incl. Azollaceae)
         o Ordem Cyatheales
               + Família Thyrsopteridaceae
               + Família Loxomataceae
               + Família Culcitaceae
               + Família Plagiogyriaceae
               + Família Cibotiaceae
               + Família Cyatheaceae (incl. Alsophilaceae, Hymenophyllopsidaceae)
               + Família Dicksoniaceae (incl. Lophosoriaceae)
               + Família Metaxyaceae
         o Ordem Polypodiales
               + Família Lindsaeaceae (incl. Cystodiaceae, Lonchitidaceae)
               + Família Saccolomataceae
               + Família Dennstaedtiaceae (incl. Hypolepidaceae, Monachosoraceae, Pteridiaceae)
               + Família Pteridaceae (incl. Acrostichaceae, Actiniopteridaceae, Adiantaceae, Anopteraceae, Antrophyaceae, Ceratopteridaceae, Cheilanthaceae, Cryptogrammaceae, Hemionitidaceae, Negripteridaceae, Parkeriaceae, Platyzomataceae, Sinopteridaceae, Taenitidaceae, Vittariaceae)
               + Família Aspleniaceae
               + Família Thelypteridaceae
               + Família Woodsiaceae (incl. Athyriaceae, Cystopteridaceae)
               + Família Blechnaceae (incl. Stenochlaenaceae)
               + Família Onocleaceae
               + Família Dryopteridaceae (incl. Aspidiaceae, Bolbitidaceae, Elaphoglossaceae, Hypodematiaceae, Peranemataceae)
               + Família Oleandraceae
               + Família Davalliaceae
               + Família Polypodiaceae (incl. Drynariaceae, Grammitidaceae, Gymnogrammitidaceae, Loxogrammaceae, Platyceriaceae, Pleurisoriopsidaceae)